NA MESMA TELA, FORA DA MESMA CAIXA

A série alemã Babylon Berlin é um convite à Alemanha dos anos 1920.


Por FELIPE VIVEIROS*


É frequente passarmos a maior parte do nosso “ócio cultural” consumindo o melhor das grandes produções hollywoodianas. Assim agimos, na garantia de um suposto padrão de qualidade. Seja por hábito de identificação com as séries e filmes norte-americanos, seja por receio de perder tempo no sofá com algo que não valha a pena. Afinal, quando o assunto é cinema, fica evidente nossa acomodada fascinação com as mesmas séries e filmes — dos mesmos países: EUA e Inglaterra.


Babylon Berlin é uma boa opção para sair da rotina. Baseada nos romances do autor alemão Volker Kutscher, escrita e dirigida por Tom Tykwer — o mesmo diretor do clássico europeu Lola Rennt (“Corra Lola, corra”) — a série é um convite neo-noir a uma viagem à Alemanha dos anos 1920. Em coprodução entre a Sky e a rede de canais alemã ARD, a série teve sua estreia em 2017 e já conta com três temporadas lançadas, com um orçamento de 40 milhões de euros, configurando-se como a série de TV de língua estrangeira mais cara da história.


foto: divulgação


Figurino e cenário impecáveis, jazz, locações em ruas, prédios públicos, cafés, cabarés trazem cenas dignas de um Great Gatsby. A lúdica criação de Babylon Berlin leva o espectador a se familiarizar com o idioma alemão e se divertir com a música e a estética da boemia europeia. Embora os anos 1920 tenham se popularizado como "os anos dourados", em razão de sua efervescência cultural, a série desnuda os lados obscuros dessa era, historicamente conhecida como a República de Weimar. Situado em Berlim, o enredo retrata excessos e contrastes desse período, que comprime, ao mesmo tempo, paisagens urbanas modernas, produções artístico-culturais vibrantes e problemas sérios de desigualdade social, falta de saneamento básico e taxas de desemprego ultrapassando os 40%.


fotos: divulgação


Imersa em bolhas de inflação e falta de credibilidade de seus líderes, a República de Weimar entrou em vigor na Alemanha de 1919 e perdurou até o início da década 1930. Embora a expectativa positiva dos alemães nessa primeira experiência com a democracia, a série retrata os cantos sombrios do país, o descontentamento de governantes e governados, o saudosismo de tempos melhores, as privações impostas pelo Tratado de Versalhes, a corrupção política e policial e as frequentes disputas entre monarquistas, comunistas trotskistas e stalinistas, republicanos e nazistas em busca do poder.


fotos: divulgação


Babylon Berlin é um envolvente convite a entender os caminhos que a Alemanha tomou depois da Primeira Guerra e os desafios que enfrentou até culminar no regime totalitário do Terceiro Reich. De maneira envolvente, o thriller embarca o espectador em uma mistura de entretenimento e história política para abordar um tema ainda pouco explorado pelas produções passadas nas telas dos grandes cinemas, e mesmo pelas produções locais nos canais de televisão alemã. A série é, sem dúvida, um forte concorrente para as grandes produções dos canais TV e plataformas de streaming, caracterizando-se como vibrante oportunidade para você fugir das costumeiras produções norte-americanas. Babylon Berlin abre sua tela (e sua mente) para você conhecer algo novo, com idioma, imagens, trama e emoções surpreendentes.


*Felipe Viveiros, graduado em Relações Internacionais pela PUC-SP, tem extensão universitária em Comunicação Empresarial pela Universidade da Colúmbia Britânica (Canadá) e é mestre em Relações Internacionais e Organização Internacional pela Universidade de Groningen (Holanda).



DO RESTO DO MUNDO

cultura

  • Facebook
  • Instagram
  • Spotify

Copyright © 2020 Cultura do Resto do Mundo.

Todos Direitos Reservados. Arte do Site: Viviane Seeger.

  • Facebook
  • Instagram
  • Spotify