Filmes de Natal fora do clima de Natal

Thriller coreano de “Boas festas”, pós-Natal romeno, drama francês, fábula japonesa e Papais Noéis selvagens da Finlândia.


Por FELIPE VIVEIROS*


The Tower (2012)

País: Coreia do Sul

Gênero: Thriller natalino


Do aclamado diretor sul-coreano Kim Ji-hoon, The Tower não é o estereótipo do “filme de Natal”. Às vésperas da festividade, na luxuosa Tower Sky da capital Seul, helicópteros borrifam neve artificial sob o edifício para o espetáculo de fim de ano. O clima de “boas festas” muda de maneira abrupta, quando um dos helicópteros perde o controle e atinge o prédio. O acidente desencadeia uma série de acontecimentos que ameaçam não só a comemoração de Natal, como também a vida de todos os residentes. O filme foi sucesso de bilheteria e ganhou o Grand Bell Awards – o equivalente coreano ao Oscar – na categoria de Efeitos Visuais.



Tuesday, After Christmas (2010)

País: Romênia

Gênero: Drama natalino.


Conhecido por ser uma das figuras centrais do cinema New Wave da Romênia, o diretor Radu Muntean criou um drama tenso e real em Tuesday, After Christmas. Na trama, um homem de meia-idade encontra-se dividido entre a família que constituiu há 10 anos e um affair com outra mulher, mais jovem. Com o peso emocional do pós-Natal e das festas de fim de ano, o filme questiona a estabilidade familiar em contraste com as emoções de uma aventura amorosa. O longa atraiu a atenção dos críticos no Leste Europeu e foi selecionado para a seção Un Certain Regard do Festival de Cannes.



Rare Exports: A Christmas Tale (2010)

País: Finlândia

Gênero: Ficção científica natalina.


Ambientado na Lapônia, Rare Exports: A Christmas Tale faz com que as poltronas dos espectadores se tornem trenós. Mas, não se enganem. O filme escrito e dirigido pelo finlandês Jalmari Helander é uma viagem pelas neves da ação, do terror e da fantasia que permeiam a região. Na trama, os habitantes locais de descobrem o segredo por trás do velhinho de barba branca: uma empresa que aprisiona os Papais Noéis selvagens, os treina e exporta para o resto do Mundo. A abordagem nada convencional rendeu ao filme diversos prêmios em festivais internacionais, como Locarno, na Suíça, e Sitges, na Espanha – no mais importante festival de filmes de terror do Planeta.



Un Conte de Noël (2008)

País: França

Gênero: Dramédia natalina.


Estrelado pela ícone do cinema francês, Catherine Deneuve, Un Conte de Noël conta a história da tensa família Vuillard. Quando os parentes se reúnem no Natal, descobrem que sua “matriarca” tem leucemia. O roteiro explora como as relações entre mãe e filhos, amantes, cônjuges e irmãos evoluem no contexto da “reunião familiar de Natal”. O espectador ganha uma compreensão profunda de cada pessoa da família e aprende, de maneira descontraída e delicada, como lidar com as adversidades da vida. O longa foi indicado para a Palma de Ouro no Festival de Cannes, e se tornou peça de teatro na França.



Tokyo Godfathers (2003)

País: Japão

Gênero: Neo-realismo natalino.


Ambientado na noite de natal da capital japonesa, Tokyo Godfathers é uma fábula neo-realista em anime. Escrito e dirigido por Satoshi Kon, a produção aborda a as famílias improvisadas que são formadas pelos marginalizados da metrópole. Um homem de meia-idade, uma travesti e uma adolescente fugitiva encontram um bebê recém-nascido no lixo e partem à procura de seus pais. O filme oferece uma visão 360º de Tóquio e se destaca pela complexidade psicológica e planos de fundo, sempre realísticos da cidade. Aclamado pela crítica, o longa ganhou o Prêmio de Excelência no Festival de Artes da Mídia do Japão e o de Melhor Filme de Animação no Mainichi Film Awards – o equivalente japonês ao Oscar.


*Felipe Viveiros, graduado em Relações Internacionais pela PUC-SP, tem extensão universitária em Comunicação Empresarial pela Universidade da Colúmbia Britânica (Canadá) e é mestre em Relações Internacionais e Organização Internacional pela Universidade de Groningen (Holanda).

  • Facebook
  • Instagram
  • Spotify