Afro-pop: tente resistir ao ritmo!

O som que fez o Mundo escutar a África. A hora e a vez do continente esquecido.


Por FELIPE VIVEIROS*


Yemi Alade

País: Nigéria


Sensação do afro-pop, Yemi Alade é cantora, atriz e apresentadora. A nigeriana roubou os holofotes em 2014 com seu single Johnny, que já alcança mais de 120 milhões de plays no YouTube. Aclamada pela indústria da música com os álbuns King of Queens e Mama Africa, Alade ganhou duas vezes o MTV African Music Awards, com clipes que fazem referência à moda e à cultura africana. Suas canções, com influências doreggae, R&B e rap, são interpretadas em diversas línguas como o inglês, igbo, pidgin, yorubá, francês e swahili.



Sauti Sol

País: Quênia


Formada na Aliança Francesa da agitada capital Nairóbi, Sauti Sol começou como um grupo que canta àcappela. Sauti, em swahili, significa “som” e desde o lançamento de seu primeiro álbum, Mwanzo (2008), conquista e encanta os ouvidos do mundo. O grupo tem como suas principais influências o malinense Salif Keita, o congolês Fally Ipupa, os britânicos Coldplay e o norte-americano Jason Mraz. Seus integrantes já fizeram diversas turnês de sucesso em diferentes continentes e combinam ritmos vocais africanos, guitarra, piano e música eletrônica.



Stonebwoy

País: Gana


Com influências do som jamaicano, Stonebwoy traz ao mundo um verdadeiro salão de dança em sua música. Conhecido por muitos como o “rei do dancehall” na África, o artista dos subúrbios da capital, Accra, já foi nominado ao Grammy e venceu mais de 45 prêmios de música. Na sinergia de ritmos locais com apelo pop internacional, o som que ele cria envolve e é um sucesso da África até Europa, da América do Norte até Oceania, em todos os países por onde já fez turnê.



Navy Kenzo

País: Tanzânia


Duo musical formado por personalidades versáteis da música na Tanzânia, Navy Kenzo faz o continente dançar em autêntico afro-pop com influência do rap. Nahreel, premiado produtor musical da capital, Dar es Salaam, traz os beats e vocais. Já a rapper Aika escreve e interpreta as letras das canções. Vencedores do WatsUp TV Africa Music Awards, a dupla é conhecida como fundamental para a popularização da música em inglês na Tanzânia, onde o swahili é o idioma oficial.



Kiff no Beat

País: Costa do Marfim


Direto das ruas da animada cidade de Abidjan, Kiff no Beat traz uma sonoridade eclética que transita entre afro-pop, trap e R&B. Formado por cinco membros, o grupo conquistou a Costa do Marfim ao vencer o Faya Flow, a maior competição de hip-hop do país. O conjunto tem se popularizado muito além do continente africano, alcançando a França e os Estados Unidos. Seus hits alcançam milhões de plays nas plataformas de streaming, e o sucesso os levou a assinar contrato com a forte gravadora Universal Music Africa.


*Felipe Viveiros, graduado em Relações Internacionais pela PUC-SP, tem extensão universitária em Comunicação Empresarial pela Universidade da Colúmbia Britânica (Canadá) e é mestre em Relações Internacionais e Organização Internacional pela Universidade de Groningen (Holanda).

  • Facebook
  • Instagram
  • Spotify